Category Redes Sociais

SeráQVale: serviço de avaliações para cursos superiores e pós graduação

Se você está pensando em voltar a estudar, vai se perguntar se vale a pena. É inevitável. Todo mundo acha cara a educação no Brasil: um curso de pós graduação não tão caro passa facilmente dos R$ 15 mil. Faltava uma solução que alguns gaúchos desenvolveram. O SeráQVale é gratuito e permite que ex-alunos de cursos de graduação, especialização e MBA avaliem os cursos que fizeram. Dessa forma, poderão ajudar novos aspirantes a estudantes na hora de escolher se vale a pena ou não. Continue reading

Scup lança classificação automática de sentimento

O Scup é a ferramenta de monitoramento de mídias sociais mais popular no Brasil por um monte de motivos. Contudo, uma das críticas mais comuns está no fato de que a ferramenta não faz classificação automática de sentimento nos posts monitorados, ou seja, exige um trabalho manual de alguém para identificar de publicações em redes sociais que falam da sua marca são positivas, negativas, neutras ou se possuem sentimento misto. Contudo, isso está mudando. A ferramenta brasileira está lançando essa funcionalidade que deve ajudar bastante as empresas que são populares em redes sociais e possuem uma quantidade de mensagens diárias muito grande. Continue reading

Google+ será descontinuado

Não é surpresa: ninguém usava o Google+. Seus principais recursos (e talvez os únios realmente usados) eram o upload automático de fotos, os Hangouts e o bate-papo – que perdeu muito espaço para o Facebook. Com a falta de uso dessa mídia social, era evidente que o Google+ sairia das nossas vidas em breve. Aliás, muito se falava sobre o “Plus” ser desmantelado. Recentemente saíram várias declarações sobre isso. Continue reading

Gere mais leads usando uma Landing Page

Landing pages são páginas utilizadas pelos empreendedores digitais para chamar a atenção do público, com o objetivo de convencê-lo a realizar determinada ação – que pode ser uma compra ou o preenchimento de uma pesquisa de opinião, por exemplo. Elas também são excelentes ferramentas de geração de leads, ou seja, captação dos contatos de consumidores em potencial. E os empreendedores que trabalham com marketing digital devem aproveitar esse potencial, encarando as landing pages como poderosos instrumentos de aproximação e fidelização dos clientes. Na prática, elas significam mais ganhos para você!

Muitos empreendedores ignoram a importância das landing pages por simples desconhecimento sobre o conceito e o que elas podem representar para o negócio. Poucos entendem para que essas páginas servem e o que é necessário para a construção das mesmas. Esse é o seu caso? Sem problemas! A partir de agora você terá acesso a informações completas sobre o tema! Confira nos tópicos abaixo como construir suas landing pages e entenda como você poderá usá-las para gerar leads e ganhar mais dinheiro!

Destrinchando o conceito

Em livre tradução, o termo inglês landing page significa “página de aterrissagem”, mas no Brasil foi adaptado para “página de entrada” ou “página de destino”. Ela é a área de chegada do internauta no site ou blog. Portanto é o espaço responsável pelo primeiro contato do consumidor com a sua marca. Se o ditado está certo (e, pelo menos nesse caso, ele está!), a primeira impressão é a que fica e a landing page deve, obrigatoriamente, ser um ambiente organizado, que assegure uma navegação agradável!

A função da landing page, no entanto, não se resume ao mero recebimento dos internautas para o primeiro contato com o site. Ela precisa ser utilizada de forma prática pelo empreendedor, garantindo a geração de leads. Nessa página, o cliente encontrará, logo de cara, um botão que o convidará a realizar o preenchimento de um formulário de dados pessoais – que pode ser trocado, por exemplo, pelo download de um produto, pela assinatura de uma newsletter ou por acesso a conteúdo restrito.

Para cumprir com sua missão, uma landing page sempre tem de ser construída a partir de uma estrutura bastante simples. Ela deve ter layout atraente, mas ao mesmo tempo limpo, de forma que o internauta não se distraia com outras questões além do preenchimento do cadastro. A página também deve ter uma mensagem muito específica, acompanhada de um botão de call to action, que incentivará o cliente a realizar a ação (ou seja, o preenchimento do cadastro).

Entenda como a landing page te ajudará a vender mais!

Você ainda não compreendeu como a landing page vai ajudá-lo a vender mais? Simples! Como visto até aqui, nessa página o internauta não encontrará os anúncios para compra de produtos, mas realizará uma ação bastante valiosa: fornecerá a você os dados cadastrais! Esses contatos são muito importantes porque foram fornecidos espontaneamente, significando que o cliente gosta do seu site e tem interesse pelos produtos divulgados nele. Isso indica que os consumidores cadastrados possuem alto potencial de compra e merecem que você nutra com eles uma relação mais aprofundada!

Com os contatos qualificados em mãos você poderá elaborar campanhas de e-mail marketing e newsletters, informando os clientes sobre as últimas novidades em produtos e conteúdo. Esse material publicitário vai estimular o cliente a visitar seu site ou blog com maior frequência e, consequentemente, a realizar novas compras. E é aqui que seu esforço será recompensado! Os leads serão convertidos em prospects e, posteriormente, se transformarão em consumidores até se tornarem clientes fiéis. Os resultados vão se refletir na sua conta bancária!

Ficou claro? Quanto mais leads você conseguir gerar, maiores serão as vendas e melhores serão seus resultados financeiros. E qual o melhor instrumento para isso? Isso mesmo! Elas: as landing pages!

Mas, afinal, como construir uma landing page?

Muitos empreendedores confundem a landing page com a home page e acham que não há necessidade de criação de uma página específica para a geração de leads em seus sites ou blogs. Esse é um erro que deve ser evitado. Entenda que a home é um ambiente cheio de informações que podem afastar o consumidor do objetivo central da sua estratégia de captação de contatos, que é o preenchimento de formulários. Então jamais ignore a importância de elaboração específica de uma landing page.

Mas, afinal, como construir uma página para geração de leads?

Uma boa hipótese é a contratação de um designer. O mercado possui vários profissionais especialistas nesse tipo de trabalho, que desenvolvem páginas bonitas e eficientes, baseadas em técnicas profissionais de marketing digital. Faça uma pesquisa na internet, ou consulte o mercado da sua cidade, e verá que há orçamentos atraentes. Tenha em mente, no entanto, que essa opção exigirá um gerenciamento quase manual da sua lista de contatos e dos e-mails enviados.

Uma alternativa interessante é recorrer ao uso de tecnologia, por meio dos sistemas de automação de marketing. Eles vão profissionalizar o seu trabalho e podem auxiliá-lo de forma muito completa! Com uso desse tipo de plataforma, você conseguirá construir suas landing pages, gerenciar o mailing de contatos, elaborar as campanhas de e-mail marketing e monitorar os resultados das mesmas. Gostou da ideia? Há diversas opções no mercado. Conheça algumas delas abaixo:

OptimizePress

Essa plataforma atrai muitos empreendedores pelo preço e forma de pagamento. Ela oferece pacotes únicos, que dão direito a uso do software por tempo indeterminado. Será possível escolher entre 30 templates diferentes, que podem ser combinados com o WordPress. Além disso, oferece possibilidade de construção de páginas com layout responsivo – o que significa que elas vão funcionar perfeitamente nos tablets ou smartphones dos clientes.

HubSpot

A plataforma está entre as mais populares do mercado e permite que o empreendedor crie suas próprias landing pages de forma rápida e muito simples. Não é necessário qualquer conhecimento em programação para utilizar o sistema, que oferece ampla possibilidade de customização dos templates. Também é possível realizar testes A/B para verificar qual formato tem maior apelo junto ao consumidor.

RD Station

A RD oferece um serviço muito completo, de fácil operação e com suporte avançado. Não apenas promete ajudar os clientes a colocar suas landing pages no ar e gerar mais leads, como também oferece consultoria em marketing digital para obtenção de melhores resultados em tráfego, vendas e ROI (Retorno sobre o Investimento). Você pode testar o serviço por sete dias gratuitamente antes de fechar o contrato.

GetResponse

A plataforma é de fácil utilização e ajuda o empreendedor a criar as landing pages em poucos minutos. Há mais de cem formatos diferentes de templates para que você escolha de acordo com a necessidade do negócio. Oferece também os recursos de edição de formulários e listas de e-mails, com operação bastante simples. E o sistema ainda conta os serviços de e-mail marketing com autoresposta e design responsivo.

Para terminar, não se esqueça de divulgar o link!

Você criou uma landing page bacana e está animado com a possibilidade de geração de novos leads? Então não se esqueça de divulgar a página! O internauta só chegará até ela se tiver acesso ao link! Um bom começo é o uso das redes sociais, mas você também pode recorrer às técnicas de SEO para melhores posicionamentos nas pesquisas da internet. O importante é dar ao seu público-alvo caminhos diversos que os levem até a sua landing page!

As dicas ajudaram? Você está pronto para colocar uma landing page no ar e melhorar sua geração de leads? Comente!

De Orkut para Orkuti

O último dia do mês de setembro (30) trouxe uma triste noticia para os brasileiros, o fim  definitivo do Orkut – rede social que marcou a adolescência daqueles que hoje ocupam o Facebook.  E se você já tinha aceitando o fim, conheça agora o Orkuti, a rede social criada pelo brasileiro Alex Becher para homenagear a falecida.

A nova rede social não só traz semelhanças ao antigo Orkut, como também pega algumas caracteristicas de outras plataformas, como o Facebook e o Google Plus. O lema é “Orkuti: igual à vida real. Resgate os velhos tempos com seus amigos”, e logo na página inicial do seu perfil já é possível ver as semelhanças com a rede, é composta por scraps, comunidades, depoimentos e apresenta novas funções, como a aba de eventos, similar ao Facebook, já a imagem de perfil remete ao aclamado Google Plus. Na página de cada usuário também é exibido um perfil completo, mais atualizado do que antigamente e no mesmo nível da rede de Mark Zuckerberg, dando a opção de adicionar uma capa, status de relacionamento, local de trabalho, estudo e todas essas caracteristicas de “quem é você”.

De acordo com o criador da rede, todo o processo de desenvolvimento levou 3 meses e já conta com mais de 10 mil pessoas inscritas, incluindo pessoas do Brasil, Chile, Angola e Azerbaijão. Alex Becher é programador e sempre foi fã do Orkut, ao receber a notícia do término da rede social, trabalhou dias e noites para realizar o sonho. Ele ainda conta que o nome Orkuti, se deve ao modo que o Orkut era pronunciado, sempre com ênfase no “i”. Sobre as semelhanças com as outras plataformas ele diz: “estudei por 2 anos o Google+ e o Facebook, integrei as melhores características no Orkuti. Lá é possível que o usuário veja quem viu seu perfil, enviar um depoimento em off, entrar e sair de uma comunidade, entre outros”.

Então se você já estava se considerando órfão do Orkut, já pode se animar. A rede ainda pode passar por algumas instabilidades, mas isso porque ela é nova e ainda está se adaptando ao servidor. Enquanto isso, aproveite para conhece-la, adicionar seus amigos, criar comunidades, voltar com os jogos e todas aquelas outras funcionalidades que o saudoso orkut nos permitia.

Fonte: FastCom

Twitter terá timeline mais parecida com a do Facebook

Em apresentação de resultados financeiros recente no Twitter, o CFO (Chief Financial Officer) da empresa anunciou que a timeline organizada por ordem cronológica está com os dias contados. A intenção, parece, é ordenar os tweets de maneira parecida como o Facebook organiza os posts: não pelo momento em que foram publicados, mas pela propabilidade do usuário se engajar com aquele conteúdo. Não foram dados detalhes, mas essa notícia preocupa um pouco alguns usuários.

A novidade surpreende porque esse é um dos pontos mais relevantes e diferentes do Twitter ainda hoje. Enquanto a maior rede social do mundo abandonou a recência para adotar critérios de priorização de mensagens do Edge Rank, a rede social do passarinho azul sempre teve uma pegada forte nas novidades: você tem que acompanhar várias vezes ao dia para se manter atualizado no que está acontecendo. Além disso, na hora de acompanhar um evento ao vivo (como uma premiação, um jogo de futebol, um programa de TV ou um congresso) é mais prático acompanhar pelo Twitter, justamente porque quem está envolvido na conversa vai falando em tempo real sobre o que esta acontecendo naquele dado momento. Os tweets, por conseguinte, acabam tendo um tempo de vida muito curto. Pouco depois de tuitar, sua mensagem já vai cair no esquecimento – a menos que seja memorável o suficiente para alguém capturar em imagem e publicar em outro espaço.

Apesar da surpresa, a mudança na timeline já devia ser esperada pelos fãs. Quem acompanha o Twitter desde 2008 e 2009, quando houve o boom no Brasil, deve lembrar que a ferramenta não tinha praticamente funcionalidade nenhuma, e só era interessante por causa dos apps conectados a ela. Contudo, de 2012 para cá, várias mudanças foram feitas para enriquecer a interface e trazer mais do que apenas texto: fotos e vídeos começaram a surgir. Aos poucos, a timeline já se aproximava com a do Facebook.

Fica agora a tensão de saber como e quando isso vai acontecer. Mais: e se o uso do Twitter vai cair ou aumentar com a mudança. Só o futuro dirá! E aí, o que acha disso tudo? Acha que é uma decisão ruim? Deixe um comentário!

Fonte

Não existe conduta certa no Facebook

Se tem uma coisa que me enche o saco é quando vejo mais um “guru” de qualquer coisa dizendo exatamente como se comportar e o que fazer em cada situação, ou especulando quando funcionalidades vão surgir ou deixar de existir. Aplicado ao Facebook, tem ainda gente insistindo em estipular o tempo de vida da ferramenta e orientar usuários e profissionais de marketing de redes sociais o que é certo e errado de se publicar na plataforma. Ora, isso não poderia ser menos técnico em relação ao site do Mark Zuckerberg.

O Facebook é uma plataforma capaz de abrigar redes sociais que tem tecnologia suficiente para entender o que usuários estão propensos a gostar, para mostrar-lhes o mesmo tipo de conteúdo novamente. É por isso que desde 2006 ele não pára de crescer. De lá para cá, talvez a feature que mais se desenvolveu foi Edge Rank, justamente responsável por entender o que um usuário tende a se envolver ou não – sendo que o envolvimento surge no clique, passa por curtidas e comentários e termina no compartilhamento.

Oras, se cada pessoa se envolve – e demonstra interesse – por assuntos diferentes, por que tem tanta gente dizendo o que é certo e errado de se publicar no “Feice”? Isso só serve para transmitir o que ideal para o gosto do autor mas, com a experiência que eu tenho lecionando e monitorando conteúdo, percebi que tem muita gente que ainda é apaixonado pelo “bom dia” e por mensagens de auto-ajuda, tanto quanto por outros conteúdos que podem parecer bizarros para você.

Detesta imagens de animais sendo violentados, sofrendo e eventualmente morrendo? Eu tenho pavor, mas tenho que reconhecer que esse conteúdo é amplamente divulgado no Facebook e “apreciado” por muitos usuários (não que de fato gostem, mas se envolvem com isso). Nesse sentido, é certamente inadequado que um perfil ou uma página se envolvam com isso? Depende do caso. E é aí que está, parece que pouca hoje tem dado bola para o “depende do caso”, já que ele dá um pouco de trabalho para ir atrás e entender o que depende do que exatamente.

Como marca, vale a pena sempre monitorar o que seu público publica e com o que se envolve. Como perfil pessoal, não importa. O Facebook é uma rede social e você faz uso como bem entender. Quem não gostar pode te dar um unfollow, bloquear ou terminar a amizade, mas pelo menos você vai aproveitar do jeito que achar melhor. A grande mágica do Facebook está em ser um organismo vivo que entende o que deve aparecer e crescer em cada momento. Não deixe nenhum guru de marketing digital escolher o conteúdo do seu perfil ou da sua marca.

A imagem de destaque desse post veio desse artigo, que sugere exatamente quais são “as 7 condutas insuportáveis no Facebook”. Você pode concordar ou não, mas isso não faz diferença. No fim das contas, depende.

Evento grátis Clube do Marketing em Porto Alegre, 05/08

Evento_ESPM_capa__1_

No dia 5 de agosto de 2014 vai ocorrer em Porto Alegre um evento de Marketing Digital sediado na ESPM-Sul. Das 19h às 21h35, vai trazer 7 palestrantes de diferentes áreas do marketing digital, com pequenas falas e o objetivo de trazer insights rápidos e valiosos para quem já trabalha com isso diariamente.

Os assuntos vão de assessoria de imprensa aos bons modos em redes sociais, passando por personal branding, redes sociais, Facebook marketing, planejamento de marketing digital e uso de ferramentas Google.

Palestrantes Clube do MarketingO blogueiro que aqui escreve estará presente às 19h50min. Espero vocês lá!

Endereço, a lista completa de palestrantes e a inscrição você encontra nesse link. Não perca, é grátis!

Por que o brasileiro gosta tanto do YouTube?

A dúvida de por que o brasileiro gosta tanto do YouTube surgiu depois que vi a notícia de que Brasil é o país que mais assiste vídeos no YouTube. Esse dado é muito curioso, pois tendemos a acreditar sempre que por aqui a preferência absoluta pela TV se dará para sempre, e que a nossa “inferior conexão com a internet” prejudicaria a nossa preferência por sites com conteúdo pesado. Provavelmente não é isso. Esse artigo busca levantar algumas hipósetes para esse gosto especial do Brasil por esse serviço do Google.

1. Humor de todos os jeitos

A televisão anda cada vez mais certinha e com conteúdo padronizado. Além disso, é notável que os quadros humorísticos de TV aberta têm perdido apelo por parte do público. O conteúdo do YouTube, portanto, consegue tangenciar isso, atingindo bem o gosto de todo tipo de humor, seja de gosto duvidoso para alguns ou não.

2. Conteúdo audiovisual pirateado ou legal com custo zero

É conhecido também que o brasileiro gosta de economizar, mesmo se tiver que usar pirataria para isso. Não faz muito tempo que CDs e DVDs piratas eram sensação. Com o YouTube, entretanto, não precisamos mais pagar por pirataria: está tudo ali, a poucos cliques. Parte do conteúdo de canais de TV e de artistas não é pirateado, é colocado no canal de forma legal

3. Interação

Tem coisas que a TV não atende, e sabemos o quanto o brasileiro gosta de conversar. Juntando essas duas coisas, o YouTube parece um canal muito atraente. Você não precisa necessariamente produzir vídeos para participar: a sua valiosa opinião nos comentários já é suficiente. Ou então a diversão de dizer “first” ao ser o primeiro a comentar, ou até mesmo o prazer que muitos têm ao xingar alguém (especialmente o cara que disse “first”). A interatividade que nunca se fez por aqui de maneira competente na TV digital chega ao YouTube sem percalços.

4. Programação infantil

A TV aberta cada vez menos tem espaço para programação infantil. Aos poucos, desenhos animados são ceifados para dar lugar a programas policiais, de receitas ou de variedades. Com isso, o público infantil e infanto-juvenil fica sem se interessar pela televisão. Como hoje é muito comum a presenta de computador com acesso à internet em casa, e a TV por assinatura é muito cara, é natural que a criançada busque diversão num canal de vídeos gratuitos. Se derivam daí outros fenômenos interessantes que não calham a esse artigo, mas envolvem a criação de ídolos digitais e clusters de redes sociais baseados em canais no YouTube.

5. DIY

O Do It Yourself está cada vez mais popular na rede social de vídeos do Google. Se um dia era extremamente caro produzir vídeos, editar e publicar na internet, hoje isso é possível através de qualquer smartphone simples, ou mesmo através de consoles de vídeo game. Playstation 4 recentemente lançou vários recursos para editar e publicar vídeos a partir do próprio console. Por outro lado, a Nintendo tunou o Mario Kart 8 com recursos também de compartilhamento de clipes direto para o YouTube. A Microsoft também segue os mesmos passos com o Xbox One.

6. Tem no trabalho e tem em qualquer lugar

Muita gente trabalha com um computador e sem bloqueio ao serviço de vídeos, o que facilita o acesso ao conteúdo. Da mesma forma que hoje estão cada vez mais raros aparelhos celulares com TV Digital, e mais comuns os que têm capacidade suficiente para carregar o YouTube pela telinha com menos de 5 polegadas. Aliás, a tela do celular já tem grande participação no consumo de vídeos do site. A taxa varia muito de acordo com o canal, mas é comum alcançar 30% ou mais.

E aí, o que acha? Você está usando mais o YouTube do que antigamente? Deixe um comentário com suas próprias hipóteses!

Tumblr e Instagram têm público mais jovem que o Facebook

O Global Web Index publica diariamente gráficos e pesquisas interessantes sobre a internet. Tudo, claro, sempre é aproveitável para o mundo do marketing digital. Hoje o gráfico me chamou atenção por mostrar claramente as diferenças de idade dos usuários entre os principais serviços de redes sociais de hoje. Não é exatamente uma gigante surpresa, pois já sentíamos isso.

A pergunta que fizeram para pessoas do mundo inteiro, exceto a China, foi: em quais redes sociais você esteve ativo no mês passado em qualquer device? A pesquisa indicou que o Facebook é amplamente usado em muitas idades, e têm uso grande em pessoas acima dos 45 anos. O YouTube, por outro lado, é mais usado por pessoas entre 16 e 24 anos de idade. Instagram e Tumblr destacam-se por ter usuários muito jovens: a maior parte tem menos de 25 anos de idade, especialmente no Tumblr, que apresenta a audiência mais jovem. Abaixo, temos os gráficos mencionados.

uso de plataformas por idade

Uma pena que a pesquisa não é focada no Brasil. Por aqui o Facebook também domina, mas, como não está a tanto tempo “na boca do povo”, ainda não houve a fuga de jovens que houve nos EUA. Se souber de uma pesquisa aplicada ao Brasil, não esqueça de deixar nos comentários!